Porque decidi emigrar?

domingo, agosto 19, 2018 4 Comments A+ a-



Olá a todos e bem-vindos a um novo post! Hoje vou contar-vos o porquê de ter decidido emigrar para a Irlanda e quais as minhas expectativas e objetivos nesta nova etapa da minha vida.

Na maioria dos casos a emigração deve-se principalmente à ambição de melhores condições de vida e de trabalho, e obviamente foram as razões que mais me motivaram a sair de Portugal e vir para a Irlanda. Não decidi sozinha embarcar nesta aventura uma vez que a ideia de estar sozinha sempre me assustou, então se sozinha num país diferente com toda a responsabilidade e pressão por minha conta seria insustentável, e, portanto decidi mudar-me para cá essencialmente porque o meu namorado já se encontrava há bem mais tempo a trabalhar aqui. Cada mês que passava sem o ver custava mais, as semanas de férias que ele tirava para regressar a Portugal não eram suficientes e as despedidas custavam cada vez mais. Foi então, num impulso que me perguntei "porque não?" e nunca mais voltei atrás. A ideia tornou-se cada vez mais sólida e não tardei em largar o meu emprego em Portugal, avisar as pessoas mais chegadas e então, juntamente com o Pedro, partimos dia 8 de Julho de 2018. Se me perguntarem se estou arrependida? Não! De todo! Apesar de ter sido uma decisão rápida tentei não pensar muito nos "e se" porque sempre ouvi dizer "negatividade atrai negatividade" e foi por isso que me lancei de cabeça e o que tivesse que ser, seria.

Ao decidir sair de Portugal tinha consciência que tinha um longo caminho pela frente, como se fosse fazer tudo de novo, começar uma vida nova, da estaca zero. O facto de ter o Pedro comigo foi um grande empurrão e uma grande ajuda na minha integração aqui pois foi ele quem me ajudou a conhecer "os cantos à casa". Ter alguém do nosso lado para nos dar força e estar presente para nos ouvir é gratificante, no entanto, sozinhos ou não, todos somos capazes do que quer que seja, a chave é determinação e foco. Não vou mentir dizendo que é/foi fácil porque inevitavelmente sentimos falta do nosso lar, da nossa família, dos nossos amigos, dos nossos costumes, da nossa comida (e que saudades que tenho da gastronomia portuguesa aaaaah), há dias que sentimos que não pertencemos aqui mas rapidamente nos lembramos que se aqui estamos por alguma razão é.

O nosso grande objetivo é, sem dúvida, um dia regressarmos a casa estáveis economicamente em prol do nosso futuro e quiçá dos nossos rebentos que é claramente um grande desafio em Portugal. Conseguir qualquer bem sem ter de fazer das tripas coração é quase impossível uma vez que o salário mínimo nacional é inferior às necessidades dos portugueses, o que faz com que para muitos emigrantes seja apenas um destino de férias, e um motivo de rever a família.

Tudo tem o seu lado positivo e negativo e mudar-me para a Irlanda fez-me ver que não devemos hesitar no que quer que seja, devemos ir atrás do que queremos e do que nos faz bem. Deixei muita coisa para trás, mas a vida é mesmo assim, uma descoberta, uma oportunidade de vivermos intensamente e de voltar costas aos nossos medos, e uma forma de valorizarmos tudo o que temos e conseguirmos bem mais do que imaginamos.

Antes de desistirmos do que quer que seja devemos primeiro refletir no que nos fez chegar aqui, e insistir, por isso, façam o mesmo, por vocês. Agora e sempre!

Sejam felizes, um beijinho e até breve!